segunda-feira, agosto 06, 2007

Cosmopolita OU O samba na Lapa é um milagre de Deus!

Mas o ponto alto do fim-de-semana foi, sem sombra de dúvidas, a festa do Léo "Negão". Amigo dos nossos amigos cariocas, logo nosso amigo (não acompanhou ele a Susana num dos seus fadunchos?), este negão escolheu para o seu local de aniversário um notável boteco na Lapa (coração boémio desta cidade), mesmo em frente aos Arcos, o Cosmopolita. A festa começou mais ao menos pelas 19:00 e estendeu-se até às tantas. Nós saímos pelas 03:00 do dia seguinte, mas acredito que eles ainda tenham ficado um pouco mais...
A cena é que o Léo é músico profissional (os belgas, os franceses e os holandeses têm o prazer de o ouvir tocar uma vez por ano, quando ele e a sua banda se deslocam à Europa) e num dia de aniversário o aniversariante faz o que gosta, certo? Então a noite foi de samba, tocado por ele e pelos seus parceiros sambistas (não os da banda, os da farra). De arromba. Tive o privilégio de poder assistir in loco a uma noite de farra na Lapa! A Susana não foi (tinha um texto para redigir) mas a Matilde foi e delirou. A sua primeira noite de boémia!
Este samba todo embalou uma belíssima tortilha à espanhola, cubos de provolone panados e uma carne sol com aipim frito e farofa. Tudo isto regado com muita caipivodka (diria mesmo demais; o meu amanhecer que o diga...). Pelas 01:00 deixámos as meninas em casa e trouxemos a Susana (acelerado que estava, tive de voltar), bem como a da primeira vez esquecida (como me recriminei...) máquina fotográfica. São já, pois, da recta final estas imagens.






O cara barbudo que aparece a tocar pandeiro no último vídeo é o Serrano. Um grande viva ao Serrano!

Toda esta festa decorreu no Cosmopolita já se disse. O que não se disse ainda foi que quem nos serviu a noite toda (sempre com a maior das amabilidades) foi esse garçom que dá pelo nome de Júlio. Grande Júlio! Há 22 anos a servir no Cosmopolita, este é um homem que diz não ganhar o que gostaria mas fazer o que gosta! Quem fala assim não é gago. E o Júlio não é gago. O tipo aparece num vídeo ou outro, mas não resisto a colocar uma foto minha com ele para a posteridade.

5 comentários:

Léo disse...

E nossa modestíssima festa ganhou a grande rede...
Um festa não é senão aquilo que os presentes fizerem dela. Se entre os presentes há aqueles que gostaram - e se o são em maioria - tanto melhor.
Não há mais nada a fazer além de agradecer ao amigos (daqui e d'além mar), ao grande garçom Júlio e a todos que me permitiram festejar com felicidade a chegada dos 39.
A lamentar, só mesmo a futura ausência - espero que temporária - do blogueiro Anauel a comentar as ocorrências...
E como dizem as ruas: fui!

anauel disse...

Grande Léo!
Que bom ler-te por aqui. Já sabes, mi blog es su blog...
O Anauel vai, mas ficará atento.
Regressará quando possível, mas também te espera do outro lado.
Entretanto, vemo-nos por aqui, na rede.
Saravá!

LeoHermano disse...

Carlos, volta no Cosmolita, só e concentrado, e ordena um filé à Oswaldo Aranha. Este prato foi inventado lá, naquelo vero lugar, pelo antigo Senador (o prédio do antigo Senado, criminosamente demolido era ali perto). Não esqueça de pedir um feijão e farofa para acompanhar.

anauel disse...

Eu bem que o vi passar (até o fotografei) mas não tive coragem de o tragar. Fica para a próxima!

Léo disse...

Salve Carlos!
Não foi possível que nos despedíssemos decentemente, mas já fica aqui registrado o convite para nova tournée carioca. Perdeste o samba de sábado, quando voltamos a nos acabar. E ainda havia ilustres convidados músicos da melhor cepa. Predominou o choro.
Ao que consta, no verão próximo deverei cruzar o Atlântico duas vezes (junho e setembro). Numa delas, pelo menos, tento descer na foz do Tejo, o pá!
Por enquanto, segue um grande beijo na Matilde e o desejo de que tenham uma boa readaptação à terrinha.
Grande abraço.
Léo.
PS.: Toda vez que me vir diante de uma salada de batatas (Bar Luiz, Bar Brasil, Nova Capela, Bar do Zé e outros memoráveis) brindarei em reverência ao blogueiro Anauel.